window.advanced_ads_ready=function(e,a){a=a||"complete";var d=function(e){return"interactive"===a?"loading"!==e:"complete"===e};d(document.readyState)?e():document.addEventListener("readystatechange",(function(a){d(a.target.readyState)&&e()}),{once:"interactive"===a})},window.advanced_ads_ready_queue=window.advanced_ads_ready_queue||[];

sambafoot

Aumento à vista? isenção fiscal da gasolina e etanol termina dia 28

Aumento à vista? isenção fiscal da gasolina e etanol termina dia 28

Medida Provisória do governo garante isenção fiscal para gasolina e etanol até 28 de fevereiro. Aumento poderá chegar a R$ 0,69

Acabou o carnaval e agora, enfim 2023 pode começar. E a brincadeira faz sentido para quem é proprietário de veículo à combustão. É que um aumento que vai dor no bolso, adiado do primeiro dia deste ano deverá acontecer no próximo 1º de março.

É termina no próximo 28 de fevereiro a isenção fiscal concedida pelo Governo Federal logo no primeiro dia de 2023. Foi a primeira medida tomada por Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assim que assumiu o comando, repetindo o que havia feito o seu antecessor.

LEIA TAMBÉM:
Filtro do câmbio automático: quando é preciso trocar?
Lei cancela o guincho em blitz e dá 15 dias para regularizar o carro
Ministério da Justiça investiga ‘marmita’ do Toyota Corolla Cross

A desoneração dos combustíveis foi feita por Jair Bolsonaro em 2022 para reduzir os preços, que chegou na média de R$ 7 no caso da gasolina. A medida provisória de Bolsonaro terminou em 31 de dezembro de 2022. Caso a medida não fosse renovada, a gasolina poderia subir subir R$ 0,69 e o diesel R$ 0,33. Já o etanol, ficaria R$ 0,26 mais caro, segundo estudo feito pelo Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).


OLHA ISSO: Porsche 918 Spyder tem o IPVA 2023 mais caro do Brasil

A medida manteve a desoneração de impostos federais PIS/Cofins sobre os combustíveis, além de um decreto sobre armamentos. A política vale até 31 de dezembro de 2023 para o óleo diesel, o biodiesel e o GLP. Já as alíquotas da gasolina e do álcool ficam zeradas até 28 de fevereiro.

Nesta sexta-feira (24), o presidente se reunirá com Jean Paul Prates, presidente da Petrobras, para discutir opções alternativas à desoneração de combustíveis, que será encerrada em 1º de março. Segundo apuração da jornalista Andrea Sadi, fontes afirmam que o objetivo da reunião é avaliar se a Petrobras tem a capacidade de absorver parte do impacto causado pelo fim da desoneração.

O novo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, é contra a desoneração dos combustíveis. Caso seja mantida, vai provocar uma queda de R$ 52,9 bilhões na arrecadação do governo. A pasta deverá elaborar alguma solução nos próximos meses.

Até 31 de dezembro, em meio à alta de preços dos combustíveis motivada especialmente pela guerra da Ucrânia, os impostos federais estavam zerados por medida do ex-presidente Jair Bolsonaro e pelo Congresso Nacional.

DEIXE SEU COMENTÁRIO
Thiago Ventura

Thiago Ventura

Com 15 anos de experiência na imprensa e dedicado ao jornalismo automotivo desde 2011, Thiago Ventura tem passagens pelo portal Vrum, Portal Uai, jornal Estado de Minas, TV Alterosa e DomTotal, além de colaborações com o jornal O Tempo, Autos Segredos e rádio Gospa Mira. Em 2016 fundou o Carro Esporte Clube, canal de notícias multiplafatorma com portal e redes sociais. 🙋 PARCERIAS: apartamentos-rosa.com@gmail.com

Deixe seu comentário. Sua opinião é muito importante pra nós!:

%d blogueiros gostam disto:
sambafoot Mapa do site