window.advanced_ads_ready=function(e,a){a=a||"complete";var d=function(e){return"interactive"===a?"loading"!==e:"complete"===e};d(document.readyState)?e():document.addEventListener("readystatechange",(function(a){d(a.target.readyState)&&e()}),{once:"interactive"===a})},window.advanced_ads_ready_queue=window.advanced_ads_ready_queue||[];

sambafoot

sambafoot - Milagre da multiplicação dos litros

sambafoot - Milagre da multiplicação dos litros

Marcas mudam método de medir volume do porta-malas para aumentar capacidade. Brasil não tem padrão único para medida

Thiago Ventura

De hatches compactos a SUVs grandes, o volume do porta-malas é um dos itens de atenção do consumidor. Numa disputa em que tamanho faz diferença, as montadoras de automóveis buscam a melhor equação entre design e engenharia para oferecer um bom espaço. Mas existem outras estratégias.

Em dezembro de 2019, o Chevrolet Onix Plus Premier passou pelo teste com Emilio Camanzi. Tratava-se da nova geração do sedã-compacto do carro, completamente renovada. Na época, o porta-malas oferecia 469 litros e recebeu nota 8 do jornalista.

Agosto de 2022 e o sedã voltou para a garagem do Carros com Camanzi, dessa vez na versão LT com câmbio manual. Nesse espaço de tempo, nenhuma novidade substancial foi aplicada pela Chevrolet. Mas eis que o porta-malas ‘cresceu’ e agora oferece bons 500 litros. O que explica esse verdadeiro milagre da multiplicação dos litros?

Exemplo de mensuração do volume pelo método SAE
Exemplo de mensuração do volume pelo método SAE

Em alguns casos, as montadoras realizam ajustes físicos no compartimento ou acessórios. É o que aconteceu com o Jeep Renegade, por exemplo, que originalmente oferecia apenas 290 litros, volume muito aquém do desejado para um SUV. A marca trocou o tipo de pneu sobressalente, adotando um de uso temporário (com exceção da versão Trailhawk), ampliando o espaço para 320 litros. Mas no caso do Onix Plus, é diferente. A mágica está na forma de medir do espaço

Porta-malas: métodos de medição

Na época do lançamento da nova geração do Onix Plus, a Chevrolet utilizou o método SAE (Society of Automobile Engineers) otimizado, que é comum entre as montadoras norte-americanas. Nesse tipo de avaliação, formas cúbicas variadas preenchem todo o espaço disponível no porta-malas. No passado, os engenheiros quebravam a cabeça para encaixar todas as peças, mas agora a simulação é feita utilizando um programa de computador.

Blocos de 1L mostram capacidade do porta-malas do Chevrolet Onix
Blocos de 1L mostram capacidade do porta-malas do Chevrolet Onix no método VDA

Depois, a General Motors passou a usar o método VDA, (sigla para Verband der Automobilindustrie, instituição alemã de padronagem) para mensurar o volume do porta-malas. Nesse tipo de estudo, blocos fixos de um litro de capacidade são encaixados no nicho, dando uma impressão mais verídica do uso.

Ao fazer o teste com o seu sedã-compacto, 500 caixinhas de 1 L conseguiram ficar devidamente acomodadas no espaço, enquanto o Onix hatch conseguiu 303 L. Daí, o crescimento de 469 L para 500 L. É importante lembrar: no método VDA, a tampa não precisa ser fechada, o que roubaria mais espaço no caso do sedã da GM, que tem alças do tipo “pescoço de ganso”.

LEIA TAMBÉM:
Teste do Chevrolet Spin Activ7 2023
Chevrolet confirma elétricos para América Latina
Novo Chevrolet Equinox 2022 em Dose Dupla

Porém, não foi só a Chevrolet que resolveu mudar as regras do jogo em benefício próprio. A Jeep fez a mesma coisa com o Compass. Até a linha 2021, o SUV médio oferecia 410 litros. A partir do modelo 2022, passou a informar 476 L. E qual o segredo?

É que no ano passado as marcas do grupo Stellantis passaram a adotar tanto o VDA quanto o método litragem ou aferição completa. Nesse estudo, todo o espaço é considerado, como se o porta-malas recebesse um volume líquido. Isso inclui pontos inúteis, como o vinco da cabeça de parafusos, ranhuras de acabamento ou espaço entre molas, por exemplo. Procurada pelo Carros com Camanzi, a empresa informou que a litragem é uma tendência do mercado e que novos modelos e medições deverão ter o volume ampliado.

Há dez anos, a francesa Peugeot também usou de artifício semelhante. Ao lançar o hatch-médio 308, informou que o modelo oferecia 430 litros. Para isso, recorreu ao método litragem. Utilizando o VDA, o volume do 308 seria de apenas 348 litros…

E esses são só alguns exemplos.

Mas como fica o consumidor? Não há forma obrigatória de se medir o volume do porta-malas e cada montadora pode utilizar o seu método. Daí a importância do bom jornalismo. No exemplo recente do Chevrolet Onix Plus, seja com 469 ou 500 litros, a nota do Emílio permaneceu a mesma: 8.

Informações técnicas do Onix Plus:

Ficha Técnica e Assessórios do Onix Plus 2023

DEIXE SEU COMENTÁRIO
Thiago Ventura

Thiago Ventura

Com 15 anos de experiência na imprensa e dedicado ao jornalismo automotivo desde 2011, Thiago Ventura tem passagens pelo portal Vrum, Portal Uai, jornal Estado de Minas, TV Alterosa e DomTotal, além de colaborações com o jornal O Tempo, Autos Segredos e rádio Gospa Mira. Em 2016 fundou o Carro Esporte Clube, canal de notícias multiplafatorma com portal e redes sociais. 🙋 PARCERIAS: apartamentos-rosa.com@gmail.com

Deixe seu comentário. Sua opinião é muito importante pra nós!:

%d blogueiros gostam disto:
sambafoot Mapa do site