window.advanced_ads_ready=function(e,a){a=a||"complete";var d=function(e){return"interactive"===a?"loading"!==e:"complete"===e};d(document.readyState)?e():document.addEventListener("readystatechange",(function(a){d(a.target.readyState)&&e()}),{once:"interactive"===a})},window.advanced_ads_ready_queue=window.advanced_ads_ready_queue||[];

sambafoot

O ator interpretando o piloto

O ator interpretando o piloto
3_Niven e Hill

O meu querido amigo Marco Zamponi, o ZAMPA, que para tristeza de todos os que o conheceram já nos deixou faz muitos anos, era uma das maiores figuras deste mundo. Jornalista inteligente, astuto, capaz de fazer rir a todos por muito e muito tempo com suas histórias (“o tema é verdade – garantia ele – mas às vezes crio em torno da história para valorizá-las, fazendo-as mais engraçadas).

Carioca, sotaque carregado e aventureiro, foi morar na Europa ainda jovem, já com grande conhecimento do automobilismo mundial. Como todo jovem, tinha suas dificuldades de sobrevivência. Vida dura, dependendo de favores dos amigos que lá já moravam e de alguns pilotos brasileiros que seguiam para o velho continente em busca da sorte atrás de um volante.

Morava em Londres e tinha um Mini. Mas aqui é preciso abrir um parênteses para mencionar que o ZAMPA passava – e bem – dos 100 kg de peso. Vivia acompanhando provas pela Europa, especialmente F1. E não poderia deixar de ir até Mônaco para ver a corrida mais charmosa do Mundo. Pegou carona em um avião para o principado e lá se foi com pouco dinheiro para despesas.

Assim, com o bolso e estômago vazios, o querido ZAMPA deparou-se com um jornalista, carioca como ele, e mencionou suas dificuldades. O cara, todo posudo (hic!) disse: olha ZAMPA, posso te ajudar. Você carrega esta pasta para mim que te pago 100 dólares. Contando a história para os amigos, ele dizia: “na hora eu pensei se mandava o cara à ou para a PQP. Mas aí pensei que com aquela grana eu poderia comer uma semana em Londres. E aceitei”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Carregando pasta pra lá e pra cá, ele acompanhou o jornalista (sic!!!!) até que este apontou para um homem mais adiante, cercado de belas mulheres e disse: olha lá o Graham Hill (ele participou da F1 entre 1958 e 1975, sendo campeão duas vezes na categoria, em 1962 e 1968), vamos lá para entrevistá-lo.

ZAMPA tentou ponderar por que não deveriam ir até lá, mas diante das ameaças de lhe ter tomada a pasta e, claro, os 100 dólares, cedeu. O cara chegou lá e falou: Graham Hill, sou jornalista do Brasil etc, etc, etc … e começou a perguntar coisas para o “piloto”. As moças riam e o entrevistado também. E o ZAMPA, ficou quieto, mas, claro, exibindo a sua conhecida cara de zombeteiro.

Depois de muitas perguntas, o ZAMPA afinal manifestou-se: cara, este aí… mas foi interrompido bruscamente pelo jornalista que ameaçou novamente tomar-lhe a pasta e cancelar o “contrato”.

Mas, desta vez, o “carregador” não aguentou e disse: cara, este aí não é o Graham Hil, é o David Niven, conterrâneo do piloto inglês e também campeão na sua categoria, tendo ganho o Oscar de melhor ator em 1958, por sua atuação, por apenas 15 minutos, no filme “Separate Tables”, exibido aqui no Brasil como “Vidas Separadas”. Ele deveria ter ganho também o Oscar de melhor interpretação de um piloto de F1, respondendo às perguntas do equivocado jornalista com maestria. Como se fosse o verdadeiro Graham Hill.

A razão do equívoco: bem, primeiro pela arrogância. Se tivesse ouvido o ZAMPA, não teria “pago aquele mico”; depois, talvez porque ambos tinham Graham no nome (o ator era James David Graham Niven). E o principal era o característico bigodinho inglês, fino e comprido, que emoldurava a boca de ambos.

Nunca perguntei, nem o ZAMPA falou, se recebeu ou não os 100 dólares acordados. Mas o que vale mesmo é a história que ele contou. Não é verdade? Entre os jornalistas do setor, existem dezenas de outras incríveis histórias como essa, do querido ZAMPA

 

Obs: É preciso esclarecer, aos que não sabem, é que David Niven era apaixonado pela F1 e assistia a todos os GPs que podia.

 

Quem é este, David ou Graham? (1)

E este, é o piloto ou o ator? (2)

À esquerda, com capacete de aviador, Graham Hill. À direita, com capacete de piloto, David Niven. Será isso mesmo? Confira! (3)

Hill pilotando e o incrível e querido ZAMPA. (4)

 

 

 


 

🙋 CONTATO COMERCIAL: apartamentos-rosa.com@gmail.com

Fique pertinho da gente:

🔸 https://www.telcotraders.com
🔸 https://www.hostpublisher.com
🔸 https://www.telcotraders.com
🔸 https://www.godsexapplepie.com

🚗 INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL NO YOUTUBE: https://www.phpfusion-lt.com

👪 PARTICIPE DO NOSSO CLUBE: https://www.godsexapplepie.com

 

📻 Também estamos na Rádio, no ITATIAIA CARROS, com Emilio Camanzi (dentro do “Jornal Itatiaia Agora”): 95,7 FM, aos sábados, 13h00.

 

 

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

 

chicolelis começou no jornalismo em 1960, no jornal A Tribuna (Santos/SP), passou pela Ford, onde foi aluno do mestre Secco, foi para a Goodyear, depois para
O Globo (Sucursal de São Paulo) e dali para GM, onde ficou por 18 anos. Em seguida, fez consultoria para a Portugal Telecom e depois editor do Caderno de Veículos do Diário do Comércio (SP)

 

 

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO
chicolelis

chicolelis

chicolelis começou no jornalismo em 1960, no jornal A Tribuna (Santos/SP), passou pela Ford, onde foi aluno do mestre Secco, foi para a Goodyear, depois para O Globo (Sucursal de São Paulo) e dali para GM, onde ficou por 18 anos. Em seguida, fez consultoria para a Portugal Telecom e depois editor do Caderno de Veículos do Diário do Comércio (SP) 🙋 PARCERIAS: apartamentos-rosa.com@gmail.com

Deixe seu comentário. Sua opinião é muito importante pra nós!:

%d blogueiros gostam disto:
sambafoot Mapa do site