window.advanced_ads_ready=function(e,a){a=a||"complete";var d=function(e){return"interactive"===a?"loading"!==e:"complete"===e};d(document.readyState)?e():document.addEventListener("readystatechange",(function(a){d(a.target.readyState)&&e()}),{once:"interactive"===a})},window.advanced_ads_ready_queue=window.advanced_ads_ready_queue||[];

sambafoot

O jeito bandido do Porsche 356

O jeito bandido do Porsche 356

Lendas do Automobilismo – #4

A Porsche é uma daquelas marcas capazes de arrebanhar seguidores fieis. Mas, não estamos falando apenas de consumidores. A marca do Dr. Porsche gerou uma legião de preparadores como a RUF, Rauh-Welt Begriff, dentre outros. Mas, a Califórnia se tornou uma espécie de celeiro de oficinas especializadas em Porsche, como a Singer Design, assim como a garagem de Magnus Walker e a Emory Motorsports.
A diferença entre o último e os dois primeiros é que na Emory só se trabalha com 356. Além de restaurar, a empresa desenvolve projetos Outlaw. Numa tradução literal seria “fora da lei”. E o mais novo projeto “marginal” da casa é o 356 RSR Outlaw.

O projeto

Esse carro é fruto de um trabalho de cinco anos. Para os colecionadores e fãs ortodoxos da Porsche, é quase um pecado. Rod Emory, dono da empresa, não teve dó de recortar a carroceria de um 356 (que ficou em linha entre (1948 e 1965) e instalou o sistema de suspensão de um 911 (964), assim como refez totalmente a seção traseira do cupê para encaixar o motor Emory-Rothsport Outlaw-4.

Trata-se de uma unidade 2.6 litros, quatro cilindros boxer, com refrigeração a ar (como o do Fusca), fabricado pela própria Emory, inclusive com uso de fundição em areia. A unidade recebeu dois turbocompressores, um para cada par de pistões, e entrega nada menos que 400 cv. Para um carrinho que pesa cerca de 900 quilos são menos de dois quilos para cada cavalo-vapor.

A inspiração

O estilo do 356 RSR Outlaw tem como inspiração o bólido de corridas 935 “Moby Dick”, um predador das pistas de 1976 a 1981.

A parte frontal tem elementos que remetem ao 911 GT1, da década de 1990. Já a traseira alargada e com o motor à mostra, só dá a entender que se trata de um 356 devido a uma pequena moldura que ostenta as lanternas do velho cupê e a inscrição Porsche.

E, quando visto lateralmente, só se sabe que se trata do modelo inaugural de Stuttgart devido às curvas das janelas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A estreia

A apresentação do “bandido” foi na sexta edição Porsche Fest, evento que reúne modelos da marca com refrigeração a ar. Nada de Macan, Cayenne ou Boxster. A festa ocorre nos estúdios da Universal, em Hollywood, que empresta cenários de cinema para exibição das máquinas.


Marcelo Jabulas é Jornalista e Designer Gráfico.

Está na área desde 2003, atualmente é o editor do caderno HD Auto, do jornal Hoje em Dia, de Belo Horizonte. Figura presente em todos os lançamentos, salões do automóvel e eventos da indústria automobilística. https://www.godsexapplepie.com

 


DEIXE SEU COMENTÁRIO
Emilio Camanzi

Emilio Camanzi

Emilio Camanzi  é um jornalista experiente e formador de opinião, com mais de 56 anos de trabalho dedicados a área automobilística. Seu trabalho sempre foi norteado pela busca da seriedade e credibilidade da informação. Constrói suas matérias de forma técnica, imparcial e independente, com uma linguagem de fácil compreensão. https://www.instagram.com/emiliocamanzi/ 🙋 PARCERIAS: apartamentos-rosa.com@gmail.com

One thought on “O jeito bandido do Porsche 356

Deixe seu comentário. Sua opinião é muito importante pra nós!:

%d blogueiros gostam disto:
sambafoot Mapa do site