window.advanced_ads_ready=function(e,a){a=a||"complete";var d=function(e){return"interactive"===a?"loading"!==e:"complete"===e};d(document.readyState)?e():document.addEventListener("readystatechange",(function(a){d(a.target.readyState)&&e()}),{once:"interactive"===a})},window.advanced_ads_ready_queue=window.advanced_ads_ready_queue||[];

sambafoot

sambafoot - O que não tem mais nos carros? Cabide de bolsa, por exemplo

sambafoot - O que não tem mais nos carros? Cabide de bolsa, por exemplo

Proprietária de um Fusca teve problemas com peça atualmente desconhecida. Confira a história do cabide de bolsa

Faz alguns dias, na casa de amigos, conversando com o jovem filho do casal, ele me contou uma velha piada, que muitos dizem ser um fato verdadeiro. É o caso daquela senhora, com seus mais de 65 anos, proprietária de um lindo Fusca azul “calcinha”, entrou na concessionária, onde havia comprado o carro uma semana antes, com cara de poucos amigos.

Quando o chefe da oficina, solícito, perguntou sobre a razão do seu aborrecimento ela disse que o carro não andava, que falhava muito e que ela estava muito chateada com aquilo.

Fusca examinado, nenhum problema encontrado, Fusca devolvido à senhora que saiu da oficina certa de que tudo estava bem. Mas não! Dois dias depois, lá estava a senhora, mas aborrecida ainda e querendo seu dinheiro de volta, pois iria comprar um outro carro. Talvez um Gordini, sobre o qual ouvira falar de um teste em Interlagos, com muitos quilômetros de voltas na pista, que antigamente, antes da desfiguração sofrida, tinha mais de 7 quilômetros de extensão.

Então o chefe da oficina perguntou se ele poderia acompanhá-la em uma volta pelo quarteirão, para que ele sentisse o problema e achar uma solução para ele.

A senhora entrou no carro, puxou o afogador, pendurou sua bolsa, deu na partida e saiu falando das falhas que o seu Fusca apresentava.

Não é preciso explicar a razão do problema, certo?

Mas ai surgiu outro: o jovem queria saber o que era afogador. Daí, recorrendo ao Google, respondi que

“a função dele é enriquecer a mistura de ar e combustível no momento da partida. É muito útil quando o carro está frio, principalmente para carros antigos movidos a etanol. Isso porque esse combustível tem uma queima um pouco mais difícil do que a da gasolina”.

Então eu perguntei a ele sobre elementos imprescindíveis para os carros de décadas atrás, mas que não aparecem mais nos fabricados nos dias de hoje.

O que era um platinado?

Ele pensou muito e fez um movimento em direção ao computador. Ele também queria consultar o Google. Eu disse que não valia e que ele deveria usar a sua imaginação para responder.

– Acho que ele era o namorado daquela moça, a Vênus Platinada”, não?

Dei uma boa risada e disse que ele, mais tarde, procurasse a resposta no Google, que era algo não usado na fabricação dos carros da atualidade.

O que era um distribuidor?

Sorriu e disse que aquela era fácil, que deveria ser algo como um motoboy que faz entregas de pizzas, no domingo à noite na sua casa. Não podemos criticá-lo por fazer esta confusão que, afinal, ele nunca ouvira falar em um distribuidor no carro do seu pai, ou no da sua mãe. O dela híbrido.

O que era um carburador?

Bem, esse ele nem tentou adivinhar o que era. Ainda arriscou um “um cara carburado, bêbado”, mas ficou nisso. O carro do pai tem injeção eletrônica, que chegou ao Brasil em 1988 e o híbrido da mãe não requer nenhum dos dois.

E quebra vento?

Para fugir da área tecnológica, perguntei ao jovem se ele sabia o que era um quebra vento.

-Isso é fácil – respondeu ele afirmando que ninguém pode quebrar o vento porque ele não é um corpo sólido. Mas sabe ele que antigamente, quase todos os modelos de carro tinham lá o seu quebra vento, exceção do DKW Fissore, salvo minha memória não me esteja traindo.

A “vingança”

Depois de darmos algumas risadas com o seu desconhecimento, o jovem filho dos meus amigos me convidou para jogar Mobile Legends: Bang Bang,  Paladins ou Arena Of Valor.

– Qualquer um, pode escolher, tio!!!. E deu um sorriso maroto e desafiador.

Mais conteúdo:

DEIXE SEU COMENTÁRIO
chicolelis

chicolelis

chicolelis começou no jornalismo em 1960, no jornal A Tribuna (Santos/SP), passou pela Ford, onde foi aluno do mestre Secco, foi para a Goodyear, depois para O Globo (Sucursal de São Paulo) e dali para GM, onde ficou por 18 anos. Em seguida, fez consultoria para a Portugal Telecom e depois editor do Caderno de Veículos do Diário do Comércio (SP) 🙋 PARCERIAS: apartamentos-rosa.com@gmail.com

Deixe seu comentário. Sua opinião é muito importante pra nós!:

%d blogueiros gostam disto:
sambafoot Mapa do site