window.advanced_ads_ready=function(e,a){a=a||"complete";var d=function(e){return"interactive"===a?"loading"!==e:"complete"===e};d(document.readyState)?e():document.addEventListener("readystatechange",(function(a){d(a.target.readyState)&&e()}),{once:"interactive"===a})},window.advanced_ads_ready_queue=window.advanced_ads_ready_queue||[];

sambafoot

Rumo ao Paraguai, com a novidade do carro a álcool

Rumo ao Paraguai, com a novidade do carro a álcool

Na ida, com Alzira. Na volta, com Julio Iglesias

 

E então, um dia, em 1981, o Luiz Carlos Secco, nosso querido “Seccão”, então gerente de Imprensa da Ford, promoveu uma viagem de carros a álcool ao Paraguai (então presidido por Alfredo Stroessner), que importaria alguns desses modelos naquele ano. Faziam parte do comboio, que partiu de São Bernardo do Campo (sede da Ford) seguindo para Ponta Grossa (PR),  jornalistas ligados ao setor automobilístico de todo o Brasil. E de lá, em direção a Assunção, capital paraguaia, ao volante de duas unidades do Corcel II, duas da Belina II e uma única, desconfortável (nada contra o modelo, pouco confortável para os meus 1.80m de altura e 1.17m de pernas),  e a “gastona” Pampa.

Pois bem, foi nessa viagem que começou minha grande amizade, que perdura até hoje, depois de filhos e netos de ambos os lados. Foi assim: a Alzira Rodrigues, repórter da Sucursal de O Estado de S. Paulo, no ABC (Santo André, São Bernardo e São Caetano – só a  primeira não tinha e ainda não tem fábrica de veículos e a segunda, que perdeu a da Ford recentemente), era a única moça do grupo, onde só havia marmanjo. Além de única mulher no grupo, ninguém a conhecia bem. Era sua primeira viagem pelo jornal. Então, na hora de escolher parceiro, ninguém ousava apontar para a Alzira. Eu ousei. Fizemos uma divertida viagem, alternando o volante conforme as regras da viagem da Ford.

E, acreditem se quiserem, coube a nós dois a Pampa (o carro de trabalho da minha querida amiga Sueli Rumi. Lembram-se dela?) Percebemos nossa má sorte, quando o “Seccão” anunciou um concurso de economia na viagem, que por razões óbvias, nós na picape não teríamos a menor chance de vencer. Conscientes disso, Alzira e eu resolvemos dirigir sem preocupação com o consumo. Aceleramos (sempre dentro dos limites), com ar ligado, enquanto a maioria dos concorrentes sacrificavam seu conforto com os vidros fechados e enfrentando a temperatura ambiente que não era baixa.

Em determinado momento, resolvemos “ganhar” a competição. Para isso, entramos no primeiro posto onde havia álcool (ainda em território brasileiro) e colocamos lá uma pequena quantidade do líquido e, na hora de aferir os resultados, ganhamos, para surpresa geral. Claro que confessamos nossa estratégia. Muitos riram, mas houve quem se sentisse ofendido.

– Isso não é uma brincadeira! Bradou o revoltado colega, que seria o 2º colocado, caso não contássemos o “truque”.

Retrucamos que era uma brincadeira sim, que estávamos num grupo de amigos e que, além de trabalhar, poderíamos também nos divertir.

O que aconteceu a seguir é que o Secco tomou as chaves do tanque de todo mundo. Naquela época as tampas dos tanques de combustível eram todas separadas. Não havia controle elétrico ou mecânico como hoje.

Daí, pensei em uma outra forma de burlar o concurso do Secco, mas resolvi não usar esta estratégia: um macaco Jacaré seria usado para dar um toque, apenas um, no tanque de combustível, na época de aço, diminuindo assim a sua capacidade de absorção de álcool (hoje isso seria impossível porque os tanques são de plástico). Mas aí seria demais e resolvemos não mais brincar, mantendo nosso modo de dirigir e chegar em último lugar no quesito economia.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

A volta, com Julio Iglesias

 

Voltei sozinho, ou melhor, acompanhado de Julio Iglesias, desde Assunção até Porto Alegre. Sorte que a Belina II tinha um toca fitas e pude ouvir aquele que fora jogador de futebol no juvenil do Real Madrid e depois consagrou-se como um dos mais famosos cantores de língua espanhola em todos os tempos. No caminho as rádios não pegavam.

Bem, voltando à Belina, recebi um salvo conduto para cruzar as estradas paraguaias sem problemas com as forças armadas e autoridades em geral. Um aviso me foi dado: tome cuidado nos postos policiais ao longo das estradas, pois seus ocupantes não eram lá muito receptivos.

Ouvindo “Me olvidei de vivir” (eu a ouvi pelo menos umas 20 vezes, ou mais. Como todas as outras) avistei, no alto de uma elevação, um posto policial. Preparei-me para uma parada forçada, com perguntas duras e pronto para enfrentar alguns problemas. Mas, salvou-me um avião, que tinha a bordo o presidente Stroessner. Todos os soldados saíram do posto, acho que eram oito, ficaram em formação e, olhando para o alto, bateram continência para o avião que trazia seu comandante maior de volta ao Paraguai. E eu passei sem problemas pelo posto.

Explico aqui minha volta de carro e não de avião, como fizeram todos os colegas brasileiros. Como trabalhava em O Globo (Sucursal de São Paulo) passei por Hernandarias, distrito no departamento do Alto Paraguai, que na época era um ponto de atração para agricultores brasileiros residentes na fronteira com os dois países. Fui lá para fazer reportagem sobre essa “invasão” brasileira.

 

Veja também:

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO
chicolelis

chicolelis

chicolelis começou no jornalismo em 1960, no jornal A Tribuna (Santos/SP), passou pela Ford, onde foi aluno do mestre Secco, foi para a Goodyear, depois para O Globo (Sucursal de São Paulo) e dali para GM, onde ficou por 18 anos. Em seguida, fez consultoria para a Portugal Telecom e depois editor do Caderno de Veículos do Diário do Comércio (SP) 🙋 PARCERIAS: apartamentos-rosa.com@gmail.com

Deixe seu comentário. Sua opinião é muito importante pra nós!:

%d blogueiros gostam disto:
sambafoot Mapa do site

1234